Ela começou a entender o mundo ouvindo histórias de épocas muito diferentes da que vivemos.

Fez da profissão que escolheu uma forma de amar, sem fronteiras definidas, seja na geografia do planeta, seja no corpo dos indivíduos que o habitam.

Gentileza e atenção sempre foram seu cartão de visitas e ouvir a prosa boa de gente da roça, que nem estudo tinha, mas esbanjava sabedoria e lições de vida que não são aprendidas na escola, a fez diferente.

Andressa Chodur é Terapeuta Ocupacional. Não uma qualquer e sim uma das melhores.

Logo que a Universidade Federal do Paraná abriu turma, ela estava lá…e assim começou a jornada em busca incessante pelo conhecimento e aprimoramento. Foi aprender sobre distúrbios de movimento e aprofundou pesquisa sobre questão básica, mas de suma importância: o ato de escrever e de vestir em idosos com Parkinson, estudo que se tornou referência na região onde atua.

Seu toque hoje ultrapassa os cuidados com o Parkinson e se estende pelos problemas com memória, depressão, doenças reumatológicas e outras tantas queixas que assombram e impedem a harmonia e bem estar na qualidade de vida e funcionalidade.

Andressa é síntese & antítese de uma época. Continua crescendo e se aprimorando. À sua expertise, acrescentou acupuntura, florais de Bach e terapia assistida por animais.

Dessa grandeza toda, nos alegra ainda mais o fato dela ser colunista na Revista Velharias e quinzenalmente nos agraciar com textos super atuais.

Andressa Chodur, Terapeuta Ocupacional.

1