1

Desta vez não vou sugerir nenhum destino á vocês , e sim compartilhar minha experiência de viagem com minha mãe á três países da Europa( ela aos 81 anos) , para que muitos que querem ir mas tem medo por conta da idade, possam ir tranquilos.

Vou falar das dificuldades, mas também dar as dicas que facilitaram muito nossa viagem.

Antes de mais nada, PLANEJE bem sua viagem. Veja quantos dias vai ficar em cada cidade, lembre-se de levar os remédios que vc toma, sempre um pouco a mais , para caso de perda, e leve as receitas também. Se você tiver um tempinho antes da viagem , tente aumentar seu preparo físico para andar, é muito importante , mas não fundamental.

O sonho da minha mãe , que fala italiano fluentemente , (resultado de um curso para Terceira Idade que ela fez quando entrou nos 60 anos e deprimiu kk), sempre foi conhecer com detalhes a Itália.

Este ano ela fez 81 anos, e eu resolvi peitar esta empreitada com ela. Confesso que com receio, mas correu tudo bem.

Como tínhamos 4 meses antes do embarque, ela que já fazia pilates, redobrou o esforço nas aulas para garantir as longas caminhadas lá. Outra providencia foi fazer um check -up para ter o OK dos médicos ( cardiologista, angiologista). Tudo feito, fomos rumo ás aventuras ( e desventuras ) na Europa.

Minha primeira dica para facilitar é ;-se você for fazer conexões, peça com antecedência às companhias aéreas deixarem já á espera uma cadeira de rodas, porque em determinados aeroportos as distancias são enormes para serem percorridas á pé, e ás vezes com pressa.

Para nosso azar, ou sorte , não sei, nosso vôo de São Paulo para o Rio, onde embarcaríamos para Frankfurt ( conexão para Roma), atrasou quase 3 horas, com isso nosso tempo no Rio para check- in foi reduzido a zero. Graças a Deus sou da área de turismo e já sei como a coisa funciona, quando vi este atraso enorme, sabia que não daria tempo de fazer check-in, e pedi na companhia aérea, que despachasse nossas malas direto para Roma, caso contrário perderíamos o vôo. ( Isso só é possível quando você vai fazer todo o trecho na mesma companhia ou com companhias coligadas).

Mas se este fosse o único problema estava ótimo ! o aeroporto do Rio é imenso, e a área de vôos nacionais é do lado oposto dos vôos internacionais. Junto com o despacho da mala já pedi a primeira cadeira de rodas para minha mãe, que de início não gostou muito da ideia, mas depois adorou.Foi a salvação ! a primeira, pois viriam outras. Chegamos em cima da hora e embarcamos.

A segunda corrida foi consequência de novo de atraso no vôo. O tempo de conexão em Frankfurt para Roma é muito curto para o tamanho daquele aeroporto. Novamente me adiantei e pedi á comissária de bordo que solicitasse a cadeira de rodas para minha mãe. Junto veio um anjo da guarda , Amina, uma funcionária da empresa aérea, que além de literalmente correr, nos levou por dentro do aeroporto, onde só funcionários transitam, para dar tempo de embarcarmos para Roma . Deu tudo certo , minha mãe não se cansou, ao contrário de mim que estava quase tendo um enfarto de tanto correr. A única frustração foi ver apenas de longe o maravilhoso freeshop de Frankfurt.

Corridas terminadas, tivemos um vôo tranquilo , minha mãe pode dormir a noite toda , e não se cansou . Chegada á Roma tranquila , por hora. Fomos á esteira de bagagem, e cadê nossas malas????

Aqui vem minha segunda dica:- Se você está acompanhando um idoso em uma viagem internacional, faça VOCE , uma malinha de mão com uma troca de roupa para vocês e os remédios que vai precisar , pois sua mala pode ser achada ou não.

Fomos informados que nossas malas haviam se extraviado , a companhia aérea liberou um crédito de 50 euros por pessoa para compras imediatas até a mala ser achada.

Terceira dica:- com uma pessoa mais velha junto, não se arrisque a tentar pegar metrô ou transportes públicos, com ou sem malas, para ir ao hotel, por mais fácil que isso pareça. Você está cuidando das malas e de outra pessoa. Facilite e contrate um transfer, que vai estar te esperando no aeroporto e te deixará na porta do seu hotel.

Chegamos , compramos o que seria necessário para esperar as malas ( contando que fossem achadas, como realmente o foram).

Vamos passear por Roma. Cidade linda, um museu á céu aberto, em cada canto um patrimônio histórico-cultural, mas … como uma cidade antiga e tombada, nada pode ser modificado, então elevadores e escadas rolantes não existem nos pontos turísticos. È escada mesmo.

Meu conselho , vá devagar, com muita calma , no ritmo da pessoa mais velha, leve sempre água, e algum remédio para dor, pressão ou outro que possa precisar durante o dia fora do hotel. Insisto no item remédio de pressão pois passamos por esta experiência. Minha mãe resolveu fazer um lanchinho no meio da tarde, e lá não temos o nosso café com pão de queijo. A opção mais próxima disso foi mini brusquetas com café expresso ou cappuccino. Só que a bendita era de aliche, ( sal) , café forte ( sobe a pressão), e ela ainda coroou com uma coca cola ( mais uma subidinha na pressão). Resultado:- “filha, vamos sentar um pouco que não estou muito bem”! – Quase morri, mas lembrei que na Europa , os farmacêuticos são o primeiro socorro, e estão em todas as farmácias, e corri para uma com ela. A italiana quase teve um chilique quando minha mãe contou o cardápio, e gritava “ senhora, beba acqua, muita acqua! Que foi meu bordão o resto da viagem. Agora eu brinco, mas passei a viagem inteira preocupada, porque ela levou só o remédio de controle da pressão que toma á noite. O remédio para essas subidas eventuais ela achou que não seria necessário, e lá não vendem sem que você passe por uma consulta com um médico. Por sorte não foi necessário, controlamos medindo a pressão por 4 dias seguidos, e normalizou. Dica hiper importante:- nem pense em viajar sem um BOM seguro saúde, ok?

Outro conselho é não se fiar no clima. Pesquisamos antes de ir e estava quente. Por sorte levamos alguma coisa para frio, mas não foi o suficiente para os outros países e tivemos que comprar roupas. Em Roma, por estar muito quente, aconselho que você faça os passeios com um grau maior de dificuldade de acesso ,como o Coliseu , em uma hora mais fresca .Leve um chapéu, óculos e água senhora, muita água.

Se você for conhecer o Vaticano, se prepare. È muito grande, e não tem elevadores nem cadeiras de rodas, pois os caminhos são muito irregulares. È à Pé mesmo.

De Roma fomos à Florença, onde não tem tantas escadas e tudo foi tranquilo. Depois Veneza , outra cidade com um pequeno grau de dificuldade para quem não tem as pernas dos 30 anos. Muitas escadas, pontes para cruzar, mas com tempo e calma dá tranquilo.

De Veneza, fomos á Milão, onde também é muito fácil passear, sem escadas, com um charmoso bondinho que passeia pela cidade, vale a pena.

Mais uma dica:- se você vai fazer as viagens internas de trem como eu fiz, chegue antes nas estações, e não precisa correr para embarcar. Mas o embarque para uma pessoa de 81 anos é meio complicado , por conta das malas, que lá é você quem leva e cuida dentro do trem.

A Toscana é linda e dá tranquilamente para você fazer toda a região de trem. Cidadezinhas maravilhosas, como Verona, Assis, Pádua, Pisa , e lindos vinhedos também. São passeios que se você fizer um por dia, não cansa.

Da Itália seguimos para a França. Aviso:_ estação Gare Du Nord é grande, cheia e complicada. Tenha calma, dá tempo de sobra para desembarcar, e não tenha pressa de pegar taxi. Todos saem correndo para a fila, se você correr também vai ficar em pé esperando sua vez. Se for com calma , a fila já terá diminuído.

Paris é uma cidade plana e fácil, com exceção de Montmatre , mas mesmo lá você tem as opções de pegar o funicular para subir , e passear pelo bairro nos charmosos trenzinhos.

Na maioria dos atrativos turísticos tem elevador, é só perguntar. Giverny – tranquilo, um passeio maravilhoso, sem dificuldades de locomoção, e lindo demais.

Versalhes :- vá com uma empresa de turismo local, ou já contratada daqui, que facilita muito, pois as filas para entrar são enormes, e se você estiver nos grupos, eles tem entradas separadas e preferenciais. Lá você também encontra a opção da cadeira de rodas, basta solicitar. O lugar é grande, e pode cansar.

De novo um dica preciosa :- no outono ,leve sempre dentro da bolsa uma malha, pois no fim da tarde esfria e não queremos ninguém gripado ou com pneumonia né?

E nossa jornada chega ao fim na minha amada Inglaterra, onde o cuidado com idosos está em outro patamar. È bem mais acessível, calçadas largas, retas, elevadores e escadas rolantes em todos os lugares, ou quase. Se você for visitar a Torre de Londres e os Castelos , aí, por uma questão de tempo da construção, é impossível encontra-los , com algumas exceções, como o Castelo de Kensington , onde me surpreendi com a existência de elevadores, e de funcionários extremamente preocupados com o bem estar dos idosos. Basta solicitar ajuda.

Ficamos um mês fora, sem nenhum imprevisto, minha mãe ao fim da viagem não se cansou, e disse que não deveria ter se preocupado em ficar fora tanto tempo, deveria ter ficado mais , isso sim.

Perca o medo ,se planeje e vá tranquilo.